RS fica mais próximo de ser zona livre de Aftosa
Estado adota ações para obter o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação
Publicado em 01 de junho de 2020
Compartilhar
A- A A+

O Rio Grande do Sul está cada vez mais próximo de obter o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação. A auditoria do Ministério da Agricultura que vai fazer a avaliação deve ser realizada em agosto deste ano, e a Secretaria da Estadual da Agricultura já concluiu cerca de 70% das ações. O plano contém 18 medidas, sendo que 12 delas já foram atendidas e seis estão em processo de finalização.

Entre as ações já atendidas estão as metas de vigilância, padronização no cumprimento da legislação, incremento na fiscalização de eventos com aglomeração de animais, cumprimento de metas dos programas de sanidade animal, atividades de educação em saúde animal e maior participação do serviço veterinário oficial nas ações do SUS. Além disso, foram realizadas ações que se referem ao controle do saldo eletrônico de aves, adequação de legislação para trânsito de equinos e cumprimento de normas federais para vacinação compulsória em propriedades com focos de raiva.

O secretário da Agricultura, Covatti Filho, salienta que este é um momento histórico para a pecuária gaúcha. “A secretaria está empenhada em realizar todas as etapas apontadas pelo Ministério da Agricultura para chegarmos na próxima auditoria com todos os pontos atendidos, e assim caminharmos de forma efetiva e segura para nos tornarmos um Estado livre de Aftosa sem vacinação”, comenta.

Os seis apontamentos que já estão em processo de finalização e que devem estar concluídos em breve são a contratação de 150 auxiliares-administrativos para ampliar o quadro de pessoal e de fiscalização, aquisição de 100 veículos, sendo 72 pelo Estado e 28 pelo governo federal, publicação de decreto instituindo o Programa Sentinela de Fiscalização na Fronteira e sua efetiva implantação, revisão dos mecanismos de funcionamento dos postos fiscais de divisa, melhoria do sistema de defesa agropecuária e publicação de instrumentos legais que vão embasar as atividades de defesa animal.

 

 

 

 

Foto: Arquivo/Web

Fonte: Jornal O Alto uruguai
Fotos
Comentários